Take a fresh look at your lifestyle.

Os partidos que mais apoiam o governo no Câmara

O levantamento foi feito pelo Congresso em Foco com o auxílio da plataforma Parlamentria.

O Podemos (92%) e o Patriota (90%) foram os partidos que mais aderiram aos projetos do governo de Jair Bolsonaro na Câmara dos Deputados em 2019. Veja abaixo tabela sobre a relação dos partidos com o governo.

As duas siglas somadas têm apenas 16 deputados, o que facilita posições unificadas de seus integrantes.

O PSL, partido pelo qual Bolsonaro foi eleito presidente da República em 2018, foi o terceiro em porcentagem de aderência (85%). O mandatário saiu da sigla em novembro e articula a criação de um novo partido chamado de Aliança pelo Brasil.

São 13 as legendas que tiveram mais de 50% de aderência às matérias governistas no ano. Além dos já citados estão na lista o PSDB (81%), PTB (78%), PSC (78%), MDB (77%), DEM (77%), Cidadania (74%), PL (74%), PSD (74%), Novo (71%) e PP (67%).

Em 2019, sob o comando de Rodrigo Maia (DEM-RJ) os deputados aprovaram iniciativas como reforma geral da Previdência, a reforma da Previdência dos militares, a cessão onerosa, que divide os recursos dos leilões do pré-sal para estados e municípios, e o pacote anticrime.

Presidente Jair Bolsonaro conseguiu importantes vitórias no Congresso

Embora os deputados tenham aprovado a principal pauta econômica do governo de Jair Bolsonaro em 2019, a reforma da Previdência, foram feitas modificações ao texto original enviado pelo governo.

Entre as intervenções do Legislativo no projeto estão a retirada da capitalização, dos estados e municípios entrarem na reforma e a manutenção das regras do Benefício de Prestação Continuada (BPC).

Os deputados também alteraram o pacote anticrime enviado pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. Foram retirados trechos como o excludente de ilicitude, o plea bargain e a prisão em segunda instância. 

Na Câmara, o ano de 2019  também foi marcado por atritos entre Bolsonaro e congressistas insatisfeitos com o ritmo na liberação de verbas.

>Centrão se rebela, cobra emendas e barra votações na Câmara

Comentários
Carregando...